A ninfomania

19 out 2010 | By

A ninfomania

A ninfomania é também conhecida por outros nomes, como erotomania ou Desejo Sexual Hiperativo (DSH). Caracteriza-se, basicamente, pelo desejo sexual exagerado, viciado, contínuo e compulsivo. Pode afetar tanto homens como mulheres. É tratada como doença psiquiátrica. O ninfomaníaco apresenta grande desejo sexual e inclinação a práticas extravagantes de sexo, principalmente no que diz respeito à freqüência e ao número de parceiros (promiscuidade).

Pode ser considerado um vício, pois a simples diminuição voluntária, por esforço, da freqüência do sexo, causa imenso sofrimento psicológico (ansiedade, sintomas físicos – boca seca, palpitação, dores de cabeça, etc.), comportamento anti-social (assédio sexual, pedofilia, violência, crimes passionais).

O ninfomaníaco sente um imenso prazer e satisfação a cada orgasmo, e ainda mais, a cada vez que seu “recorde” é batido. São reações típicas de uma pessoa viciada, que não consegue mais viver sem aquele hábito, não importando o quão exposto socialmente tal hábito lhe deixará.

Hoje em dia, com o maior acesso aos meios de comunicação como internet, encontramos uma nova modalidade deste tipo de hipersexualidade: compulsão sexual virtual (sexo virtual), atingindo mais de dois milhões de pessoas mundo afora.

O que causa?

O Desejo Sexual Hiperativo é uma síndrome que pode se originar de diferentes causas. Por vezes, é visto como um problema de vício e dependência do sexo, similar às dependências de cocaína, álcool ou heroína. Pode ser encarado como um problema de comportamento mal adaptado, onde o ato repetitivo de busca de prazer sexual foi aprendido ao longo da vida como tranqüilizante, diminuindo sentimentos de ansiedade, medo e solidão. Também podemos compreender esse distúrbio como uma doença, com alterações anormais no balanço de substâncias cerebrais (neurotransmissores).

Nas teorias psicanalíticas, a hipersexualidade pode ser entendida como uma fixação nos níveis pré-edípicos do desenvolvimento sexual, na fase anal, mais especificamente, onde as ansiedades são deslocadas para comportamentos compulsivos.

Tem tratamento?

Normalmente é o psiquiatra ou o terapeuta sexual que é procurado ou indicado para esse tipo de transtorno.

As linhas de tratamento podem ser empregadas isoladas, mas tem se recorrido muito a tipos de tratamentos combinados, como o uso de medicação concomitantemente à psicoterapia cognitiva comportamental ou focal. Os grupos de apoio têm demonstrado grande utilidade como terapia adjuvante.

Algumas drogas podem ser utilizadas nos casos em que a compulsão ao sexo é predominante, como os Inibidores da Recaptação da Serotonina.

Para aquelas pessoas que apresentam sintomas de voyeurismo ou exibicionismo, a psicoterapia de orientação analítica é a mais indicada, exigindo maior tempo de tratamento.

Em casos mais graves, onde a compulsão coloca outras pessoas também em risco (como abuso sexual ou estupro), pode-se fazer uso de algumas medicações a base de hormônios (progesterona) que inibam o desejo sexual. Em alguns casos, a internação do paciente se faz necessária para contenção de riscos.

Fonte: A ninfomania

Edição Antonella Barcelos

Equipe Black Angel

2 comentários em “A ninfomania

  1. EbraelNo Gravatar disse:

    Antonella,
    Vim até aqui pelo ping no blog, então para agradecer os créditos e por ter apreciado a matéria do meu blog, em si, referida em seu post.
    Sucesso! Bjs!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: