A Sedução dos Vampiros

16 jun 2010 | By

O vampiro é antes de tudo um ser solitário. Ao contrário do que poderia imaginar a sua eternidade conseguida através de pactos com o demônio é muito mais uma maldição do que uma bênção. O rompimento do ciclo natural de vida o lança numa nova dimensão de realidade transformada pelas evoluções da sociedade; por isso, a sua perspectiva de relações se restringe, tomando em conta que o amor pode ser um estado que decreta a sua destruição. No entanto, a energia humana, com todos os encantos e desencantos daqueles que o rodeiam, causam ao seu espírito pestilento uma mistura de desejo e medo a cada vez que se aproxima de uma vítima. Ele sabe que ao buscar o líquido essencial à sua existência, poderá encontrar-se com formas e sentimentos que colocarão em xeque a sua opção pela imortalidade. Uma mulher pode levar dentro de si encantos capazes de envolvê-los em teias de sensações carnais que o conduzirão inevitavelmente à paixão, e esse sentimento é perigoso na medida que pode romper as barreiras da demonialidade aproximando-os dos sentimentos comuns a todos os mortais.

Existem alguns casos de nosferatus que apaixonados por suas vítimas são surpreendidos pela luz da manhã, letal para sua existência noturna.  Na ânsia de sugar o fluido vital se encontram com cenários estimulantes à paixão, e seu ser, que apesar de transcarnalizado conserva sentimentos humanos pode se iludir por um momento, conduzindo-o a caminhos proibidos para sua imortalidade. Essa possibilidade não deixa de mostrar quão terrível é a solidão dos vampiros.

Mas vamos falar agora, das maneiras propriamente ditas que um vampiro se utiliza para seduzir uma pessoa e como às vezes é seduzido sem se dar conta. Como já foi falado num capítulo anterior, o sonho é um elemento que pode ser utilizado pelo nosferatu, pois nesse mundo seus poderes são quase que ilimitados. Ao ver uma vítima que lhe agrade, o vampiro procura no olhar uma maneira para que possa penetrar no seu estado inconsciente de maneira a deixar sua marca. Através dessa porta ele se introduz no mundo dos sonhos onde começa a atuar, transmitindo à sua vítima os mais deliciosos momentos de êxtase sexual.

Segundo narrativas de pessoas que tiveram essa experiência, e que não se envergonharam de contar, tudo começa com uma leve brisa que envolve os sentidos numa letárgica sensação de abandono. O corpo se torna um elemento leve que aos poucos é conduzido em mirabolantes vôos pelas mãos do sedutor. Aos poucos a nudez lasciva abre as portas de estranhos caminhos sensuais e a vítima sente-se possuída por uma infinidade de imagens que se tornam cada vez mais reais. Flutuando sob o espaço, as veias sangüíneas se dilatam para entrada dos fluidos do vampiro, canalizando a um só instante um turbilhão de prazeres infernais semelhantes aos descritos pelo poeta italiano Dante Alighieri, na Divina Comédia. O inferno deixa de ser um temor para o ser vampirizado para passar a ser um atração. Nuvens de éter invadem todas as moléculas do corpo, lançando-o numa distante dimensão, longe da racionalidade do cotidiano comum a todos os homens.

Ao despertar, dificilmente a pessoa se dará conta de que está sendo vítima de um ardil vampiresco; no entanto, assim que entrar em contato com aquele que a conduz por essas exóticas trilhas, o identificará de forma inconsciente, e fatalmente o convidará ao seu leito, sem saber que atrai para si um amante tão habilidoso que será capaz de esgotá-la completamente.

Uma das limitações do nosferatu é que não pode entrar numa casa sem ser convidado por alguém que habite o lugar; por isso, o fascínio sensual que exerce sobre as mulheres, muitas vezes facilitarão essa tarefa, chegando mesmo a ser ardentemente desejado, deixando a falsa sensação de que está sendo seduzido, quando na verdade está seduzindo para seus diabólicos fins.

Uma das características comuns a quase todos os vampiros é a bissexualidade. Não importa o sexo da vítima, mas o fluido que dela exala para aumentar a vida daquele que transgrediu a morte.

No entanto, a bissexualidade é mais latente nas vampiras. A sua vítima irá se apaixonar pela fragilidade anêmica e emocional que falsamente deixa transparecer, e deixará que o sêmen do seu ventre seja sugado pela boca aflita aquela que procura a imortalidade. As suas línguas se encontrarão num plano de sensualidade ardente que aumenta lentamente até o momento supremo do “beijo de fogo”. A partir desse instante seus corpos estarão igualmente contaminados pelo vírus da luxúria vampiresca, que evoluirá até a ponto em que uma possua completamente a outra, numa paixão diabólica que se estenderá pelos mais recônditos cantos do inferno astral. Depois de consumado esse ritual que poderá demorar dias até chegar ao êxtase supremo, as vampiras iniciarão novas buscas, formando em torno delas um ciclo de orgias intermináveis, onde o sêmen é bebido na glória de satã, e o sangue derramado para a perpetuação da carne.

Apesar dos atraentes caminhos conhecidos pelos vampiros, para se chegar aos mais loucos prazeres da carne, nunca se poderá esperar dele o amor, pois os seus instintos passionais são narcisistas, objetivando pura e simplesmente a alimentar-se a si próprio, saciando seus desejos seus desejos de beleza e juventude, sem se importar com aqueles que lhes emprestam a energia. Na verdade, não existe troca; tudo flui apenas para si, transformando o outro corpo, depois de exaurido, em um saco vazio, com o qual pode fazer o que lhe aprouver. Apesar do corpo de um vampiro poder ser trocado, ele jamais refletirá nenhum tipo de brilho, tendo a função de apenas absorver. Por isso, a sua imagem não existe nos espelhos e sua sombra está aprisionada, impedindo qualquer tipo de propagacão energética por mais simples que seja. Para os vampiros, só é possível se projetarem no coração das suas vítimas, que por sua vez depois de sugado perde o brilho, como se um diamante depois de demasiadamente lapidado se transformasse em rocha opaca e sem vida.

2 comentários em “A Sedução dos Vampiros

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: