Cálice de sangue

17 set 2010 | By


Pego no meu cálice de sangue
Derramo sobre ti
Gota a gota
Pouco a pouco fazes parte de mim

O jugo deixa-me em êxtase
A desordem é a emenda do marasmo
A inquietação é a cura do extenuamento

Já cadáver, spectru surges,
Não sucumbo a ti, subsisto.
Não me induzirás, resisto.

Em ti, não esmoreço
Tu extingues-te em mim
Não mais enfraqueço
O cálice de sangue chega ao fim.

Autor Desconhecido
Edição Rebeka Lecktar
Equipe Black Angel

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: