Instinto selvagem.

24 set 2010 | By

Falar ,sobre instinto, nos remete a pensar, em que seríamos capazes de fazer, para a sobrevivência de nossa vida, de nosso trabalho, de nossa paz, de nosso amor, enfim de tudo que achamos imprescindíveis em nossas vidas.
Será que somos mesmo domesticados quando alguém pisa em nosso calo?


Será que a prepotência, a falta de educação, a falta de saber nossa real posição, frente às pessoas não estará prejudicando as nossas relações, as nossas necessidades e o nosso convivio com as pessoas?
Somos realmente autenticos, perfeitos e acima de tudo e todos como julgamos?
Ser casca é fácil, dificil é ser conteúdo, dificil é mostrar conteúdo, dificil é posar de ter conteúdo e ter cacife para manter o que se diz, quando na realidade o ser é débil e falta o ser, falta a essência do ser que se quer aparentar ser e ter, vamos analisar e tomar muito cuidado em nossas escolhas, porque poderemos ser o que nos convém, uma coisa é certa, não poderemos jamais é submeter as pessoas aos caprichos e as vaidades que só alimentam o ego de quem os tem, se acaso se sentir só, analise, se não são estas as causas…

Encontrei uma fábula de La Fontaine interessante, que nos faz pensar sobre essa relação de instintos, de disputas, de medos que muitas das vezes existem somente em nosso sub-consciente, mas que nos atrapalham e muito na relação com as pessoas, com amores, enfim, algo para ser analisado com carinho , para nosso próprio bem.

Fábula –  A gata metamorfoseada em mulher.

Uma gata mimosa, bela e delicada, era, para seu dono, a coisa mais amada que havia neste mundo.

E o homem, desvairado e inconseqüente, amava perdidamente essa gata além dos limites do que é normal. Um dia ergueu os braços ao céu e, em prece, implorando aos deuses auxílio, fez promessas, orações e magias. Tanto fez até que conseguiu dos deuses que aquele felino se transformasse em mulher; uma dama lindissima, uma bela mulher, como convinha a todo homem.

Cego de amor, casou-se com ela. Homem apaixonado, marido carinhoso, ele a adulava, embevecido pela beleza daquela, cuja origem felina ele havia esquecido completamente. Para o homem, ela era uma mulher igual a todas as outras.

Numa noite, porém, alguns camundongos entraram no quarto conjugal. A mulher sentiu a presença deles e, seguindo seus instintos de gata, começou a caçá-los. Arqueada e ofegante, ela se atirou sobre os ratos, que escapam por um triz.

Ela não conseguiu da primeira vez, mas, na noite seguinte, com os sentidos mais aguçados pela experiência da véspera, assim que os camundongos apareceram, saltou do leito e, em posição felina, arremessou-se sobre eles e os apanhou.

Depois de conservar por muito tempo um licor, o vaso continua a guardar seu odor. Não perde o pano antiga dobra, por mais que se tente esticá-lo: passado um tempo, ele a recobra.

O  natural não sofre abalo quando escondido. Só descansa. Subitamente, entra na dança, e não há como refreá-lo, nem a bastão, espada ou lança. Fecha-se a porta com tramela, e ei-lo que sai pela janela.

Fonte de pesquisa

Fábulas de La Fontaine.

3 comentários em “Instinto selvagem.

  1. SaphiraNo Gravatar disse:

    Falo disso Cristhal uma foto ia cair bem aqui , vá até o restrito e leia o que te deixei ok bjuss…

  2. Adorei cada palavra, Cristhal. Como sou uma amante de poesia gostaria de colocar essa “auto-reflexão” em versos… Drummond nos deu sábias palavras em “Reverência ao Destino”…

    Reverência ao destino

    Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
    Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

    Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
    Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

    Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
    Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.
    E com confiança no que diz.

    Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
    Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer.

    Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
    Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.
    E é assim que perdemos pessoas especiais.

    Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
    Difícil é mentir para o nosso coração.

    Fácil é ver o que queremos enxergar.
    Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.
    Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

    Fácil é dizer “oi” ou “como vai?”
    Difícil é dizer “adeus”, principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas…

    Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
    Difícil é sentir a energia que é transmitida.
    Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

    Fácil é querer ser amado.
    Difícil é amar completamente só.
    Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.

    Fácil é ouvir a música que toca.
    Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

    Fácil é ditar regras.
    Difícil é seguí-las.
    Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

    Fácil é perguntar o que deseja saber.
    Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.

    Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
    Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

    Fácil é dar um beijo.
    Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.

    Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
    Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

    Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
    Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.

    Fácil é sonhar todas as noites.
    Difícil é lutar por um sonho.

    Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

    Um grande beijo
    Sou sua fã… hehe

    Rox

  3. Beijos para vocês , Saphira e Rox, obrigada pelo carinho e pela visita ao blog, me perdoem a demora no agradecimento, estou com tendinite, procurando usar pouco o braço direito.
    Eu que agradeço a dica e sou fã de vocês duas, beijos e voltem sempre.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: