O charme químico do chocolate

22 jul 2010 | By

Uma postagem de dar água na boca Hummmm….

O Chocolate…

A Utilização de chocolate pelos humanos, data do período pré-clássico (de 900 AC até 250 DC). Usando a técnica de HPLC (cromatografia líquida de alta resolução, ou, em inglês, High Desempenho Liquid Chromatography), os cientistas identificaram resíduos de cacau em recipientes de cerâmica maia, utilizados na preparação de alimentos e datados de 600 AC (hurst ET AL… 2002). Numerosas peças de cerâmica e mural maias exibem hieróglifos representando a oferta de chocolate a governantes e deuses. Isto não é surpreendente se considerarmos que a designação latina para cacaueiro, Theobromacacao, significa ‘alimento dos deuses’.

Quando, no século XVI, os conquistadores espanhóis introduziram o chocolate na Europa, a versão doce tornou-se um alimento de luxo em todo o continente. Em 1847, Joseph Storrs Fry comercializou, em Inglaterra, as primeiras barras de chocolate, seguido rapidamente pelos irmãos Cadbury.

Hummmmmmmm…..

Desde então, o chocolate é produzido quotidianamente; no entanto, poucos conhecem a forma como afeta o nosso corpo. A comunicação social dá-nos informação, embora, por vezes, confusa, uma vez que alterna entre uma visão condenadora do chocolate, como trazendo grandes riscos para a saúde, e outra visão em que exalta os seus benefícios. Afinal, comer uma pequena dose por dia é bom ou é mau?

O chocolate induz uma sensação de prazer que pode ser explicada pelas suas propriedades físicas. O Professor John Harwood e os seus colegas da Universidade de Cardiff acreditam que o elevado conteúdo de estearatos da manteiga de cacau, um ingrediente essencial do chocolate, é responsável pela forma como se derrete e pela sua estabilidade. A manteiga de cacau contém entre 30% e 37% de estearatos na sua composição lipídica. Como conseqüência, permanece sólida à temperatura ambiente, mas, quando consumida, o seu conteúdo em gordura absorve o calor da boca e derrete a temperatura corporal, produzindo o efeito ‘derrete-se na boca’.

Que Tentação…

Desde sempre se sugere que o chocolate possua propriedades afrodisíacas: os Astecas pensavam que dava vigor aos homens e desinibia as mulheres. Na verdade, existe no chocolate um composto químico, designado triptofano, que é usado pelo cérebro para produzir serotonina, um neurotransmissor que induz sensações de prazer. No entanto, a presença do triptofano no chocolate é em pequena quantidade, pelo que a hipótese de o chocolate provocar um aumento da produção de serotonina é ainda controversa.

A feniletilalanina, que promove sentimentos de atração, excitação, tonturas e apreensão, também foi identificada no chocolate, mas, uma vez mais, a sua baixa concentração pode ser insuficiente para produzir os efeitos tipicamente associados a este composto.

A teobromina – um estimulante fraco encontrado no chocolate – juntamente com outros compostos químicos, tais como a cafeína, pode ser responsável pela sensação muito característica que se verifica ao comer chocolate. Cientistas do Instituto de Neurociências de San Diego sugerem que o chocolate contém substâncias farmacologicamente ativas que produzem um efeito tipo marijuana no cérebro, como a anandamida: um neurotransmissor canabinóide (Di tomaso ET La… 1996). O chocolate contém também N-oleoletanolamina e N-linoleoletanolamina, que inibem a degradação da anandamida, prolongando os seus efeitos. Sendo assim, os elevados níveis do neurotransmissor podem intensificar as propriedades sensoriais do chocolate (textura e odor), essenciais para induzir o desejo.

Que banho delicioso

O elevado conteúdo em gordura da maior parte dos chocolates – o Dairy Milk da Cadbury contém 30 g de gordura por cada 100 g – implica que, em excesso, o chocolate pode contribuir para a obesidade, responsável por uma série de problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas e diabetes. No entanto, nem todas as acusações são justas. A relação que se pensa existir entre o chocolate e a acne tem sido intensivamente estudada ao longo das últimas três décadas. Num estudo de 1969 pela Escola de Medicina da Universidade da Pensilvânia, 65 voluntários com acne moderado comeram: ou barras de chocolate contendo 10 vezes mais chocolate do que o encontrado nas barras comerciais, ou barras idênticas sem chocolate. Os voluntários que, durante quatro semanas, consumiram as quantidades excessivas, não revelaram um aumento significativo de acne (fulton ET AL… 1969).

Além disso, não se provou que o chocolate contribua para o aparecimento de cáries dentárias. Pelo contrário, a manteiga de cacau reveste os dentes e ajuda a protegê-los, prevenindo a formação da placa bacteriana. Embora o açúcar no chocolate contribua para a formação de cáries, não o faz mais do que o açúcar presente noutros alimentos açucarados. Por outro lado, ao alterarem o fluxo sanguíneo para o cérebro e libertarem norepinefrina, alguns dos compostos químicos do chocolate podem causar enxaquecas.

Provavelmente, o melhor compromisso será comer com moderação e escolher, preferencialmente, chocolate preto. Não só contém mais cacau e proporcionalmente menos açúcar e gordura do que o chocolate de leite, mas também é rico em compostos antioxidantes, chamados flavonóides. De fato, o chocolate preto contém mais flavonóides do que outros alimentos ricos em antioxidantes, como o vinho tinto. Os flavonóides previnem vários tipos de cancro, protegem os vasos sanguíneos, promovem o bem-estar cardíaco e contrariam a hipertensão moderada.

Chocolate Branco

O chocolate de leite pode não oferecer os mesmos benefícios. Num estudo específico, vários pacientes, em dias separados, comeram 100g de chocolate preto, 100 g de chocolate preto com um copo (200 ml) de leite gordo, ou 200 g de chocolate de leite (Serafine ET AL.. 1963). Uma hora mais tarde, aqueles que comeram apenas chocolate preto exibiam uma concentração superior de antioxidantes no sangue, sugerindo que o leite presente no chocolate de leite pode interferir com a absorção dos compostos antioxidantes.

A ciência consegue explicar as várias características do chocolate que contribuem para a sua popularidade, mas ainda se discute como ocorrerão os seus efeitos pós-consumo. Embora a sua comercialização como produto para a saúde seja pouco provável, comer, com moderação, as variedades mais escuras pode ser benéfico. Mas uma coisa é certa: tanto do ponto de vista científico quanto sensorial, nada se compara ao chocolate.

Filme para adultos e crianças sonharem, delicioso de assistir:

Sinopse: Willy Wonka (Johnny Depp) é o excêntrico dono da maior fábrica de doces do planeta, que decide realizar um concurso mundial para escolher um herdeiro para seu império. Cinco crianças de sorte, entre elas Charlie Bucket (Freddie Highmore), encontram um convite dourado em barras de chocolate Wonka e com isso ganham uma visita guiada pela lendária fábrica de chocolate, que não era visitada por ninguém há 15 anos. Encantado com as maravilhas da fábrica, Charlie fica cada vez mais fascinado com a visita.

Deguste esta delicia com moderação rsrsrs…. Que é um pouco impossível rsrsrsrr…

Fonte: scienceinschool.org
Dhara Thakerar, uma estudante do segundo ano de ciências naturais da Universidade de Cambridge.
By: Rebeka Lecktar

6 comentários em “O charme químico do chocolate

  1. Elvira SLNo Gravatar disse:

    Falando nisso, UM AVISO MUITO IMPORTANTE:

    O chocolate é muito popular como guloseima para os animais.
    A maior parte das pessoas adora chocolate e muitos dos cães também.
    No entanto o chocolate NÃO DEVE SER DADO AOS ANIMAIS.

    O chocolate contém um alcalóide chamado Teobromina.
    Este é um produto que sendo usado como um diurético, estimulante do coração ou como vasodilatador, pode ser venenoso em excesso.
    Certamente o cão teria que comer uma quantidade enorme do chocolate para ficar intoxicado, perguntam muitos donos? Não!

    * Cem miligramas (100mg) de teobromina por quilo de peso vivo são suficientes para causar uma intoxicação grave num cão, e podem comprometer sua vida, seriamente.

    * Bastam 240 gramas de chocolate puro para matar um cão de 40 quilos.

    * Na prática, um dachshund (linguiça) de 10 quilos de peso apresentou sinais de intoxicação grave logo depois de ingerir apenas 2 quadrados de chocolate ao leite.

    A quantidade de teobromina no chocolate depende do tipo de chocolate.
    O chocolate de culinária e o chocolate preto amargo contêm entre 15-20 mg/grama visto que o chocolate de leite popular contem somente aproximadamente 1,5 mg/grama.

    * Assim um Pinscher pequeno que pesa somente 2 a 4 quilos teria que comer uma quantidade ínfima de chocolate para evidenciar potenciais sinais de envenenamento.

    * Mesmo um cão com o tamanho de um Labrador poderia morrer se comesse 200 gramas de chocolate de culinária.

    Antes de apresentar os sintomas característicos do envenenamento por teobromina, o animal intoxicado pode demorar horas e até dias, e o maior problema está em que o dono não relaciona o chocolate, ingerido alguns dias atrás, aos sinais e sintomas que o cão estiver apresentando.

    Felizmente, os sinais são bastante típicos e é provável que o seu veterinário saiba identificá-los, desde que você seja sincero e diga quais guloseimas deu ao seu cão.

    SINTOMAS ESPECÍFICOS DA INTOXICAÇÃO POR TEOBROMINA:

    -> vômitos,
    -> diarréia,
    -> incontinência urinária,
    -> aumento do ritmo cardíaco e respiratório,
    -> hiperexcitação e hiperatividade,
    -> tremores musculares,
    -> espasmos,
    -> perda de consciência (estado semicomatoso ou coma profundo).

    Pode ocorrer a intoxicação aguda (por ingestão excessiva de chocolate, ao mesmo tempo) ou a intoxicação crônica (esta acontece com os cães que ingerem pequenas quantidades de chocolate, de vez em quando).

    Não existe nenhum antídoto específico para a intoxicação causada pela teobromina.

    Quais são os sinais de envenenamento por chocolate?

    Dependendo da quantidade comida realmente e do estado de saúde do cão, às vezes nenhum sinal é aparente e o cão será encontrado com uma falha cardíaca.
    Isto é provável de acontecer em cães mais velhos com problemas cardíacos.

    Os sinais habituais são:

    * Excitação e nervosismo
    * Vômitos e diarreia
    * Beber muita água
    * Espasmo

    Que fazer?

    Sempre que houver suspeita de que um cão ingeriu chocolate, deve-se levá-lo imediatamente a uma clínica veterinária, a fim de que ele seja submetido a um tratamento adequado e seja eliminada a teobromina do seu organismo, o mais rapidamente possível.

    Mesmo sem mostrar nenhum dos sinais é essencial que o cão seja mantido sob a observação próxima por pelo menos 24 horas para a verificação de algum sintoma anômalo.

    Os cães são os mais afetados devido a gostarem muito desta guloseima.
    No entanto os gatos também podem ser afetados por ingestão de chocolate.

    É recomendável, então, seguir algumas regras para evitar um mal desnecessário:

    -> nunca deixar chocolate ao alcance dos cães;
    -> explicar a todos os membros da família (principalmente crianças) que o chocolate é venenoso para os cães;
    -> se percebermos que o cão ingeriu chocolate, lembrar que é preferível levá-lo ao veterinário a tempo do que sofrer as conseqüências.

    Mas e aqueles chocolates que se compra em petshops, e em casas veterinárias?

    Estes sim, são feitos com chocolate seguro para cães (sem teobromina e sem açúcar), pode comprar e dar pro seu animalzinho sem medo. 8)

  2. Nossa quanta informação interessante gostei mesmo valeu elvira.

  3. Elvira SLNo Gravatar disse:

    Pois é, aprendi depois de perder 2 cachorrinhos que amava muito :(

  4. (((… haa que tristee..

  5. Elvira SLNo Gravatar disse:

    Infelizmente, as imagens estavam offline e tive que apagar :(

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: