O que é?

17 jul 2010 | By

O que é Estória? (segundo Michaelis):

1) Narrativa de lendas, contos tradicionais de ficção.

2) Estória em quadradinhos = série de desenhos, em uma série de quadros, que representam uma estória, com legendas ou sem elas.

3) Estória da carochinha = conto da carochinha

4) Estória para boi dormir = conversa enfadonha, com intuito de enganar.

No que se referem aos dicionários mais recentes editados em Portugal, todas as acepções supra-referidas são parte integrante da entrada “história”.

O que é História?

1) Narração ordenada, escrita dos acontecimentos e atividade humanas ocorridas no passado.

2) Ramo da ciência que se ocupa de registrar cronologicamente, apreciar e explicar os fato do passado da humanidade em geral, e das diversas nações, países e localidades em particular.

3) Biografia de uma personagem célebre.

4) Exposição de fato, sucessos e particularidades relativas a determinado objetos digno de atenção pública.

Estas duas palavras constam do vocabulário ortográfico da língua portuguesa da academia brasileira de letras, mas o novo dicionário Aurélio da língua portuguesa recomenda simplesmente a grafia história, nos dois sentidos e o dicionário de Caldas Aulete refere-se à forma estória como um brasileirismo aportuguesamento da palavra história.

O que é conto?

O conto caracteriza-se por ser uma narrativa curta, um texto em prosa que dá o seu recado em reduzido número de páginas ou linhas. Apresenta como sua maior qualidade os fatores concisão e brevidade. Deve produzir em quem o lê, um efeito de impacto. Esse efeito tanto pode resultar da natureza insólita do que foi contado, da feição surpreendente do episódio ou do modo como foi contado. Esta brevidade, porém, não pode comprometer a qualidade do texto, que deve cumprir o seu papel junto ao leitor com a mesma competência dos contos mais longos. O conto é, do prisma de sua história e de sua essência, a matriz da novela e do romance, mas isto não significa que deva, necessariamente, transformar-se neles. Como a novela e o romance, é irreversível: jamais deixa de ser conto à narrativa que como tal se engendra, e a ele não podem ser reduzidos nenhum romance ou novela. Trata-se, pois, de uma narrativa unívoca, univalente. Constitui uma unidade dramática, uma célula dramática. Portanto, contém um só conflito, um só drama, uma só ação; unidade de ação.

Todos os ingredientes do conto levam a um mesmo objetivo, convergem para o mesmo ponto. Assim, a existência dum único conflito, duma única “história” está intimamente relacionada com essa concentração de efeitos e de pormenores; o conto aborrece as digressões, as divagações, os excessos. Ao contrário, exige que todos os seus componentes estejam galvanizados numa única direção e ao redor dum só drama. Quanto a esse objetivo exclusivo para o qual deve tender a fabulação, podemos compreendê-lo considerando o seguinte: a soma dos objetivos, parciais e absolutos, que vamos tendo pela vida a fora, poderia dar uma série de pequenos dramas. A unidade de ação condiciona as demais características do conto. Assim, a noção de espaço é a primeira que cabe examinar. O lugar geográfico, por onde as personagens circulam , é sempre de âmbito restrito. À noção de espaço segue-se imediatamente a de tempo. E aqui também se observa igual unidade.

Com efeito, o acontecimento narrado no conto pode dar-se em curto lapso de tempo: já que não interessam o passado e o futuro, as coisas se passam em horas, ou dias. Levam-se anos, de duas uma:

1) ou se trata de um embrião de romance ou novela,

2) ou o longo tempo referido aparece na forma de síntese dramática, pois esta envolve, habitualmente, o passado da personagem. O conto caracteriza-se por ser objetivo, atual: vai diretamente ao ponto, sem deter-se em pormenores secundários. Essa objetividade salta aos olhos com as três unidades: de ação, lugar e tempo.

Tratando-se das personagens, poucas são as que intervêm no conto, como decorrência natural das características apontadas: as unidades de ação, tempo e espaço. Só não parece possível o conto com uma única personagem: ainda que uma só apareça, outra figura deve estar atuando direta ou indiretamente, ou vir a atuar na formulação do conflito de que nasce a história. A linguagem em que o conto é vazado também deve ser objetiva, plástica e utilizar metáforas de curto espectro, de imediata compreensão para o leitor; despede-se de abstração e de toda preocupação pelo rendilhado ou pelos esoterismos. O conto quer-se narrado em linguagem direta, concreta, objetiva. Dentre os componentes da linguagem do conto, o diálogo, sendo o mais importante de todos, merece ser referido em primeiro lugar. O conto por seu estofo eminentemente dramático deve ser, tanto quanto possível dialogado. De acordo com as diferentes formas que se apresentam os contos, ou seja, a proporção interna em que serão trabalhadas as unidades pode definir cinco tipos de contos: o conto de ação, é um conto onde predomina basicamente a aventura, o que não significa a ausência total dos demais componentes. É um tipo de conto linear e menos importante do que os outros, embora seja quantitativamente mais freqüente; o conto de personagem é menos comum e totalmente centrado no exame da personagem, mas nunca deixando de obedecer a conjuntura própria do conto, visando sua unidade; o conto de cenário é raro. A tônica dramática transfere-se para o espaço, o ambiente. Este se torna praticamente o herói do conto; o conto de idéia, embora o escritor se utilize de personagens, conflito, etc., serve para mostrar uma visão de mundo, ou seja, é um instrumento da idéia que pretende transmitir; o conto de emoção tem o objetivo de transmitir uma emoção ao leitor e geralmente vem mesclado ao da idéia.

O que é Poema?

Poema é uma obra literária que é apresentada no formato de .

Um poema pode ser a respeito de vários temas, porém os mais comuns são: amor, valorização da natureza, tema épico, feito heroico, etc.

A pessoa que se dedica à criação de poemas denomina-se poeta (masculino) ou poetisa (feminino).

O que é Poesia?

Poesia é uma das sete artes tradicionais, através da qual a linguagem humana é utilizada com fins estéticos. O  sentido da mensagem poética também pode ser importante (principalmente se o poema for em louvor de algo ou alguém, ou o contrário: também existe poesia satírica), ainda que seja a forma estética a definir um texto como poético.

O que é um Soneto?

O Soneto é uma forma de poesia perfeita. É uma composição poética de 14 versos, divididos  em quatro estrofes e dois tercetos. Nas quadras temos os versos rimados na seguinte forma: A (primeiro), B (segundo), A (terceiro) e B (quarto), ou seja  ABBA ou AABB. Entre dois tercetos as rimas podem ser AAB, CCB, ABC, ABA e BAB, etc. Pode-se compôr um soneto com qualquer número de sílabas. Os chamados “sonetinhos”são compostos em sete sílabas,os “decassílabos.

2 comentários em “O que é?

  1. Elvira SLNo Gravatar disse:

    Humm, então é por isso que sonetos são difíceis de serem encontrados… São complicadinhos de serem “feitos”…

  2. rsrsrrs … yesss espero que poss ajudar a muita gente a entender o que é , ideia do rei black angel , só pudia ser neh, ideias inteligentes só com meu rei mesmo ^^…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: