Resignação de um vampiro ()

05 out 2010 | By

Resignação

A noite caminha
vermelha por dentro.
A cidade não é de ninguém.
O crepúsculo é o grito luminoso

que me permite existir.
O gosto rude
oriundo da dor alheia
me da satisfação e paz.

Nos meus olhos não há brilho,
não há paixão pela vida:
não posso amar o que não possuo.

O sonho de todos os mortais
cai sobre mim como uma desgraça tenebrosa.
Vivo no eterno ócio:
sou uma desgraça que perdura.

Claudius Beau

Um comentário em “Resignação de um vampiro ()

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: