Saiba mais sobre os Vampiros

03 jul 2010 | By

COMO UM MORTO PENSA

Para começarmos a entender as diferenças entre uma pessoa comum e um vampiro, precisamos compreender algo muito importante: um vampiro está morto. Por mais que ele queira ainda se manter humano, seu estado de morte em vida o faz se distanciar das pessoas comuns.
Desprovido de funções biológicas, ele é incapaz de sentir diversas das necessidades de uma pessoa comum. Isso afeta seu comportamento, suas atitudes, suas prioridades e até seus sentimentos.
Em primeiro lugar, estando morto, um Cainita não respira. Embora alguns (aqueles com alta Humanidade) ainda o façam inconscientemente, a maioria dos vampiros precisa se concentrar nessa função para simulá-la, e isso não é fácil: qualquer distração e ele inconscientemente parará de respirar. A falta de respiração parece algo pequeno para afetar o comportamento de um vampiro, mas não é… Analisemos mais a fundo…
Vejamos… Você não respira. Logo, não suspira, não boceja não bufa, não fica ofegante. Parece pouco, mas muitas de nossas expressões são acompanhadas por um ritmo específico de nossa respiração. Para as pessoas, o vampiro parece frio, desprovido de emoções em muitos casos. Um vampiro furioso não irá bufar enquanto um apaixonado não suspira… Mesmo que sinta tais emoções, ele as demonstra de forma imperfeita. Essa frieza aparente afeta os relacionamentos de um vampiro com pessoas comuns. A dificuldade em se expressar aos poucos faz com que o vampiro se isole das pessoas, mesmo que inconscientemente. Esse isolamento com o tempo vai mudando o comportamento do vampiro. Conforme ele se afasta dos mortais, se distancia de sua própria humanidade.


Respiração é, porém, um fator pequeno se comparado a outras funções biológicas. Aí, um dos fatores mais importantes do comportamento humano, a sexualidade, precisa ser discutida. Em primeiro lugar, sexo é, para a maioria dos vampiros, algo supérfluo e sem sentido. Eles não sentem atração sexual como os mortais. Uma pessoa bonita é apenas isso: uma pessoa bonita. Não há aquela atração forte, não há excitação involuntária. O vampiro consegue se excitar apenas quando quer, e ainda assim isso gasta a energia de seu precioso sangue. O ato sexual, então, não traz o mesmo prazer. Embora o toque e as carícias sejam semelhantes, não há orgasmo, não há a respiração, o suor, tornando relações sexuais extremamente frustrantes. Os vampiros que praticam relações sexuais costumam usá-las para aquilo que realmente lhes dá prazer: beber sangue e adquirir vantagens… Ou então o fazem tentando se sentir humanos novamente, embora as sensações não sejam em nada semelhantes a sexo real entre duas pessoas vivas.
Há outras funções importantes. Até mesmo a falta de vontade de comer ou de ir ao banheiro afeta os vampiros. Conforme se esquecem de como era ter tais necessidades quando vivos, os Cainitas tendem a tratar os vivos como fracos que perdem muito tempo em suas necessidades biológicas. Pode parecer besteira, mas até mesmo isso impede que um vampiro de compreender a humanidade.
Conforme seus anos de vida ficam mais distantes, ele perde aquilo que o fez humano um dia…

COMO UM IMORTAL PENSA

Os anos nos faz esquecer antigos sofrimentos e velhas necessidades. O que, então, um imortal poderia pensar de seus anos como uma pessoa normal? Mesmo aqueles com ótimas memórias ainda vêem sua época como mortal na forma de uma vida distante e agora sem sentido. Como as necessidades, problemas, falhas e emoções mortais não estão mais presentes, o vampiro tem dificuldade em compreender sua própria existência como uma pessoa normal. Muitos dos velhos sentimentos se vão, dando lugar a novos propósitos. Não sendo mais humanos raramente esses propósitos novos levam em conta motivações humanas.
Mais ainda, conforme os anos passam, os últimos resquícios da vida mortal de um vampiro se vão.
Conhecidos morrem, objetos se quebram, mudanças no ambiente ocorrem. A não-vida longa dos vampiros ultrapassa a duração de qualquer resto dos anos vivos do Cainita. Sem esses grilhões da vida para se apegar, o vampiro se distancia ainda mais da humanidade, tendo dificuldade para compreender as mudanças na sociedade humana.
É por isso que a maioria dos Anciões possui um comportamento estranho, relativo aos seus dias vivos.
Incapazes de se adaptarem à sociedade mutável humana, eles se apegam ao que conheciam em vida, tornando-se seres anacrônicos, quase relíquias do passado.

O LADO HUMANO

Embora todos esses fatores contribuam para distanciar a forma de pensar de um vampiro da forma de pensar de um mortal, a grande maioria dos vampiros ainda procura se apegar aos valores humanos. Esses são os vampiros que seguem os caminhos da Humanidade.
O caminho da Humanidade é a única alternativa dos mortos-vivos que ainda tentam se apegar a algo de humano dentro deles. Tomando a moral humana como lei própria, eles evitam matar ou roubar, tentando de toda forma possível compreender os humanos.
Isso não significa que os vampiros que seguem o caminho da Humanidade sejam “bonzinhos” ou “gentis”, ou mesmo que sejam “humanos”. Isso significa que eles apenas tentam agir como seres humanos. Vampiros, no fundo, são os maiores hipócritas, pois muitas vezes compreendem poucas as motivações humanas, mas tentam copiá-las. Essa tentativa é obviamente imperfeita. Poucos são os vampiros que realmente compreendem o caminho da Humanidade e o seguem fielmente. Os demais, cedo ou tarde, se distanciam dos seres humanos mesmo clamando seguir a Humanidade. Eles se apegam aos aspectos mais básicos do que é ser humano, ignorando os demais aspectos em prol de sua natureza vampiresca.
Até mesmo muitos dos monstruosos Sabá se apegam ao pouco que restou de Humanidade neles. Hipócritas como a maioria dos vampiros, eles têm desdém pela Humanidade enquanto se apegam a ela para não serem consumidos pela Besta Interior.
Vampiros com grande Humanidade são raríssimos. A maioria deles foi Abraçada há poucos anos e ainda não teve tempo de ter sua moralidade consumida pelo vampirismo. Poucos resistem à Besta, mantendo-se humanos. Ter Humanidade alta mostra-se uma virtude. Embora a moral humana seja conflitante com a natureza vampiresca, aqueles que ainda mantêm-se fieis a seus anos vivos são capazes de melhor controlar seu corpo e até mesmo de realizar certas funções vitais sem a necessidade de concentração e uso de seu sangue (em termos de jogo, um vampiro precisa gastar [8 – Humanidade] pontos de Sangue para realizar alguma função vital, incluindo excitar-se para uma relação sexual ou respirar durante uma Cena. Vampiros com Humanidade 8 ou mais podem fazê-lo automaticamente).

Um vampiro que segue a moral humana não é menos monstruoso que aquele que segue códigos mais vampirescos de moralidade. Ele é apenas mais hipócrita e mais sutil em suas monstruosidades. Apenas os mais humanos dos vampiros deixam seu lado monstruoso de lado, embora tal controle sobre sua natureza tenha a tendência de se enfraquecer com o passar dos anos.

O LADO MONSTRUOSO

Certos vampiros abraçam códigos inumanos de conduta. Tais códigos, chamados Trilhas de Sabedoria ou Caminhos de Moralidade, tentam ser harmoniosos com a natureza vampiresca, dando a um Cainita propósitos e motivações que, embora sejam quase sempre conflitantes com a moral humana, os afastam da ameaça de serem consumidos por suas Bestas.
Códigos vampirescos de moralidade podem ser assustadores para pessoas comuns. A maioria deles lida com a aceitação da natureza vampiresca, tornando-os difíceis para que um humano os compreenda. Eles não são, porém, simples mandamentos para matar e destruir.
Muito pelo contrário: muitos buscam fazer o vampiro praticar o autocontrole e agir com convicção. Mesmo os códigos mais bestiais lidam com a harmonia entre a mente racional e a aceitação dos instintos animalescos do Cainita. Portanto, mesmo um Cainita inumano tem moralidade.
É um erro imaginar que as Trilhas de Sabedoria apenas se opõem à moral humana. Muitas delas condenam mortes sem sentido, embora não vejam problemas em matar por causa de necessidades ou quando não há outra escolha.
Cainitas inumanos podem parecer estranhos para os mortais. A maioria aparenta não ter sentimentos ou ser estranhamente cruel. Isso não é bem verdade: esses Cainitas apenas têm valores diferentes. De fato, seguidores de diferentes Trilhas com freqüência têm dificuldades para se entenderem, visto que suas prioridades e comportamentos são muito diferentes.
Note que não é fácil seguir uma Trilha de Sabedoria.
Em primeiro lugar, o vampiro precisa deixar definitivamente tudo o que lhe resta de humano para trás.
Além disso, tendo sido incorporados a uma nova moralidade, eles precisam se manter fiéis a sua nova moralidade. Ignorá-la somente até aonde é conveniente é uma armadilha mortal, afinal isso leva à deterioração de sua moralidade e à vitória da Besta. Por isso, muitos seguidores de Trilhas parecem um tanto fanáticos por seus ideais.

Vem comigo!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: