Especialistas indicam cuidados para evitar doenças de verão

27 jan 2011 | By

Otite, micose e brotoeja são algumas das doenças recorrentes no verão. Médicos especialistas dão orientações para que elas não estraguem as férias de toda a família.

Difícil no verão é ficar em casa. Quem resiste à piscina ou à praia no calor? Depois de tanto nadar, Juliana foi parar no médico. Está com otite mais uma vez. “Começa aquela dor de ouvido, e de repente parece que é uma dor muito forte”, diz Cristiane Conde, mãe de Juliana.

Como agir na hora da dor? “No máximo colocar uma compressa morna, um saco de água quente na orelha que está doendo, um paninho passado com ferro quente. Não é bom pingar nada no ouvido. Em 15, 20 minutos já terá aliviado o desconforto. No dia seguinte ela deve procurar um profissional capacitado”, explica Laiza Dias Peres, otorrinolaringologista.

Na hora da limpeza, hastes flexíveis não devem ser introduzidas no ouvido. Nem de crianças, nem de adultos. “Essa limpeza deve ser feita com uma toalhinha ou uma gaze, com tecido bem macio, somente na região externa com o dedo, de preferência com o mindinho, só até onde o dedo consegue ir”, alerta a médica

Nessa época do ano, as doenças de pele também são comuns. Segundo os médicos, a mais frequente é a micose, que são manchinhas brancas causadas por um fungo que adora umidade e temperaturas altas. “É muito importante nesta época do ano usar roupas frescas, leves, de preferência de algodão. Sapatos mais abertos e arejados, caso use um sapato fechado não use o mesmo diariamente”, orienta Daniela Nunes, dermatologista.

“Por mais que a gente tome as nossas precauções de não ficar com roupa abafada, sempre aparecem brotoejas, eu não sei como evitar”, diz Renata Vasconcelos, mãe de Sarah.

“A brotoeja se dá geralmente por excesso de suor, o suor acaba cristalizando na pele, obstruindo os poros. A drenagem do suor fica comprometida e daí ocorre uma irritação na pele, a glândula fica obstruída parcialmente”, diz Antônio Carlos Turnes, pediatra.

As doenças de pele são conhecidas como micoses superficiais da pele e são causadas por fungos que atinge a pele, a unha e até mesmo os cabelos. Os fungos estão sempre à procura da queratina, pois isso é o alimento para os fungos. Eles crescem através das condições favoráveis como calor, umidade, baixa imunidade e uso de antibióticos. E quando começam a crescer alteram o equilibro da pele e passam a causar doenças como: Tinea do corpo (impingem), Tinea da cabeça, Tinea dos pés, Tinea interdigital (frieira), Tinea Inguinal (micose da virilha), Micose das unhas (onicomicose), Intertrigo Candidiásico, Pitiríase versicolor (micose de praia), Tinea negra, Piedra preta, Piedra branca. Para evitar a contaminação das micoses alguns hábitos higiênicos são essenciais, como:

Evite ficar com roupas molhadas por muito tempo; Não ande descalço em pisos úmidos em lugares que tem um publico maior como saunas, piscinas, lava pés e vestiários; Evite o contato com terra sem um uso de sapato e luvas; evite o uso de sapatos fechados o tempo todo; Evite roupas quentes e justas; Use tecidos leves como o algodão nas roupas íntimas; Evite o contato com água e sabão por muito tempo; Não utilize objetos pessoais de outras pessoas. Para o tratamento isso irá depender do tipo de micose, mas deve ser evitado o uso de medicamentos que são indicados por outras pessoas. A primeira coisa a fazer é procurar um dermatologista. A micose mais difícil de tratar são as das unhas e também possui maior duração.

Dicas para  evitar

  1. Seque bem a virilha depois do banho, principalmente por causa das sungas e biquínis molhados.
  2. Contra o herpes, especialmente aquele causado pelos raios ultravioletas, a dica é nunca esquecer o protetor labial.
  3. Use roupas confortáveis, de tecidos mais leves, como por exemplo, algodão. Evitando assim peças quentes, justas e tecidos sintéticos, em especial as lingeries.
  4. Passe filtro solar nas áreas do corpo que envelhecem com mais rapidez por ficarem expostas ao sol, como: braços, colo, pescoço, orelha e rosto.
  5. Cuidado com os filtros solares muito oleosos. Pois, associados ao clima quente e úmido e, o aumento da exposição solar, podem provocar a formação de cravos e espinhas nas peles oleosas.
  6. Escolha um filtro solar que proteja contra os raios UVA e também UVB. Que seja, de preferência, a partir do fator 20.

O sol quente e a umidade do ar elevada (condições que retratam as estufas de cultivo dos germes em laboratórios), a alimentação inadequada, roupas molhadas que normalmente ficam por muito tempo coladas ao corpo, o uso de óleo protetor ou bronzeador, que selam os germes contra a pele, são fatores que facilitam a instalação desses micróbios, dependendo da resistência orgânica de cada pessoa.

A areia e a água das praias poluídas, piscinas mal cuidadas, os sanitários e as saunas dos clubes de lazer são as maiores fontes dessas infecções. São doenças inicialmente simples, mas que podem causar desconforto pela intensidade do prurido (coceira), além do aspecto estético, e podem evoluir com complicações graves.

A causa principal é a maior exposição aos seus agentes causadores: os fungos (causadores das micoses), bactérias (piodermites), Larva Migrans (bicho geográfico) e as viroses (principalmente o Herpes Simples).

As micoses são causadas por germes que se classificam entre os seres vivos vegetais e animais: os fungos.

A micose mais comum é a Pitiríase Versicolor (pano branco). São manchas brancas com escamas finas, que surgem quando o fungo se instala na camada superficial da pele.

O reservatório principal é o couro cabeludo não lavado diariamente.

As dermatofitoses (impingem) são micoses que aparecem nas virilhas, axilas, nádegas, entre os dedos dos pés (pé de atleta) ou mesmo na superfície lisa do corpo.

As bactérias mais comuns que causam as piodermites são: os estafilococos e estreptococos (furunculose e o impetigo). São germes que aproveitam os pequenos ferimentos da pele para se instalar e aí se multiplicam com maior ou menor intensidade.

A Larva Migrans (bicho geográfico) faz verdadeiros desenhos geográficos na pele. Está em areias de praias e condomínios, contaminadas com fezes de cães e gatos.

São lesões intensamente pruriginosas localizadas nas áreas que tiveram contato com a areia (mãos, pés e dorso) e muitas vezes se complicam com infecções bacterianas. Herpes Simples é a virose mais comum.

Pelo acima exposto, podemos diminuir a incidência dessas doenças que às vezes atrapalham um bom aproveitamento dessa linda estação, tomando alguns cuidados:

  • Freqüente praias menos poluídas e clubes bem cuidados
  • Não tome banho com sabonete antes de ir à praia
  • Evite o uso de cosméticos
  • Dê preferência aos bons protetores solares e de apresentação em gel ou líquida (alcoólica)
  • Ao retornar da praia, piscina ou clube, tomar banho preventivo usando um agente físico (a esponja vegetal é um excelente agente) e pouco sabonete
  • Dê preferência às bebidas naturais como sucos de frutas, água de coco e caldo de cana, além de beber muita água
  • Consuma frutas, legumes, verduras e cereais, que proporcionam uma alimentação leve, porém com propriedades nutritivas, rica em vitaminas e sais minerais, que aumentam a resistência orgânica
  • Certamente assim aproveitaremos melhor o verão!

Portanto, cuidar da pele é fundamental. Afinal, ficar com uma pele envelhecida antes do tempo é o que ninguém deseja e que simples cuidados realizados podem retardar sinais de envelhecimento.

G1

Google

Mistério A+

Um comentário em “Especialistas indicam cuidados para evitar doenças de verão

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: