Como identificar e tratar algumas demências e compulsões

26 maio 2013 | By

 compulsãoOs sinais e sintomas de algumas doenças que devem ter orientação profissional para serem tratadas:

  Os sinais e sintomas aqui descritos não tem a intenção e nem se prestam a estabelecer diagnósticos médicos. Servem apenas como orientação geral com vistas à busca específica de ajuda profissional especializada. Com a obrigatória busca, cada vez maior, da superação do estigma contra a prática psiquiátrica e os pacientes com transtornos mentais, o conhecimento e a discussão destes conceitos se faz cada vez mais necessária.

Alzheimer e outras Demências

A doença de Alzheimer é a causa mais comum do declínio intelectual no idoso, ocorrendo em aproximadamente 50-60 por cento dos casos de demência encontrados no indivíduo idoso.

A doença de Alzheimer é um distúrbio neurodegenerativo, progressivo e geralmente de longa evolução, considerado a principal causa de demência na população. Afeta funções cognitivas como memória, capacidade de aprendizado, linguagem, atenção, capacidade visual e noção espacial.

Nos estágios iniciais, há alguma preservação da memória remota, mas conforme a enfermidade evolui, a incapacidade de lembrança torna-se generalizada. A dificuldade de aquisição de novas informações aumenta até não haver mais novos aprendizados. Na linguagem, ocorre perda de fluência verbal, esvaziamento de conteúdos e diminuição da compreensão, além de erros de leitura e escrita. Além disso, o paciente perde progressivamente habilidades visuoespaciais, como a capacidade de copiar desenhos.

Numa etapa avançada, a enfermidade traz dificuldades de expressão, movimentação e poder de reconhecimento perceptivo sensorial. As alterações psíquicas e comportamentais ocorrem em até 75 por cento dos casos, comprometendo a vida social e ocupacional. Os sintomas incluem quadros depressivos e psicóticos (alucinações e delírios), apatia, agressividade, agitação psicomotora, condutas repetitivas, perturbações no ciclo de sono-vigília e mudanças nos hábitos de locomoção, como por exemplo, saídas a esmo e perambulações.

A análise dos cérebros de portadores da doença revela atrofia do córtex, camada periférica onde são realizadas as funções nervosas elaboradas, como os movimentos voluntários. A alteração é percebida principalmente na região localizada entre os lobos temporais e no córtex parietal, próximo aos ossos laterais do crânio.

No exame microscópico, observa-se perda de neurônios e degeneração da sinapse, transmissão de impulsos nervosos de uma célula para outra. A presença de estruturas compostas por massas granulares ou filamentosas, chamadas placas senis, e filamentos ao redor das células nervosas, denominados emaranhados neurofibrilares, comprovam a presença da doença de Alzheimer.

Autismo

O autismo é um transtorno invasivo do desenvolvimento, isto é, algo que faz parte da constituição do indivíduo e afeta a sua evolução. Caracteriza-se por alterações na interação social, na comunicação e no comportamento. Manifesta-se antes dos 3 anos e persiste durante a vida adulta. Há outros distúrbios do desenvolvimento que se enquadram no perfil de problemas autísticos, mas que não incluem todas as características da doença.

Basicamente, quatro fatores indicam a presença do autismo infantil: problemas de relacionamento social, dificuldade de comunicação, atividades e interesses restritos e repetitivos e início precoce.

A criança autista tem dificuldade em se relacionar com outros indivíduos. Assim, mantém-se distante, evita o contato visual, demonstra falta de interesse pelas pessoas e não procura conforto quando se machuca. Em 50 por cento dos casos, o interesse social se desenvolve com o tempo, mas a reatividade, a reciprocidade e a capacidade de empatia permanecem prejudicadas. O autista tem dificuldade em ajustar seu comportamento ao contexto social e não consegue reconhecer ou responder adequadamente às emoções dos demais.]

É comum, porém, que a criança tenha proximidade com os pais, desenvolvendo inclusive a afeição, mas é mais propensa a abraçar do que a aceitar ser abraçada. As interações sociais com os pares são restritas. Mesmo autistas adultos têm habilidade limitada de fazer amizades íntimas.

A dificuldade de comunicação afeta a compreensão e a expressão, o gestual e a linguagem falada. Metade dos autistas não conseguem desenvolver uma fala compreensível; a outra metade mantém atrasos nessa área. Uma minoria aprende palavras e até frases no período apropriado, mas depois perdem essa habilidade.

Quando a expressão verbal é desenvolvida, é tipicamente diferenciada e atrasada, com ritmo e entonações anormais. O indivíduo costuma repetir palavras ou frases (ecolalia), cometer erros de reversão pronominal (troca0071 TOC sintomas1 do “você” pelo “eu”), usar as palavras de maneira própria (idiossincrática), inventar palavras (neologismos), usar frases prontas e questionar repetitivamente. Normalmente o autista não mantém uma conversação, simplesmente fala para outra pessoa. Alguns usam a expressão verbal apenas para pedir coisas; outros, não percebem que o ouvinte não tem mais interesse no assunto. Os gestos são reduzidos e pouco integrados ao que está sendo dito. Metade das crianças autistas desenvolve uma fala compreensível até os 5 anos. Aquelas que não o tenham feito, dificilmente terão uma expressão verbal apropriada.

Com relação às suas atividades e interesses, os autistas são resistentes a mudanças e mantêm rotinas e rituais. É comum insistirem em determinados movimentos, como abanar as mãos e rodopiar. Preferem brincadeiras de ordenamento (alinhamento de objetos, por exemplo) e têm fascinação por objetos ou elementos inusitados para uma criança (zíperes e cabelos, por exemplo). Costumam preocupar-se excessivamente com temas restritos, como horários fixos de determinadas atividades ou compromissos. Dificilmente brincam de faz-de-conta e quando isso ocorre, limitam-se a ações simples de um ou dois episódios histórias ou programas de TV favoritos.

Apesar de ser dificilmente detectada no primeiro ano de vida, a doença pode se manifestar nesse período, caracterizada por um desenvolvimento anormal. Um dos sinais é a aversão ao colo. Em casos raros, a partir de uma certa idade, a criança entra numa fase de regressão e perde habilidades de interação social e comunicação adquiridas nos primeiros anos de vida.

Cleptomania

A cleptomania caracteriza-se pela constante falha em resistir ao impulso de furtar objetos. Ao contrário do furto comum, os objetos furtados por indivíduos portadores de cleptomania são desnecessários, não tem por finalidade o uso pessoal ou são destituídos de valor monetário. Os pacientes referem uma tensão incontrolável e crescente impelindo-os a furtar determinado objeto. Esta sensação é seguida por uma sensação de alívio e prazer após o furto, seguida de culpa e auto-recriminação. Os objetos mais comumente furtados são roupas, alimentos, cosméticos,dinheiro ou utensílios pessoais.

Compras compulsivas

Comprar compulsivamente ou oniomania, caracteriza-se por um excesso de preocupação e desejo incontrolável relacionado com a aquisição dos mais diferentes objetos e por um comportamento caracterizado pela falha em controlar-se.

São freqüentes as mentiras aos familiares tentando ocultar ou minimizar os gastos. Alguns indivíduos referem que o ato de comprar compulsivamente se relaciona com sensações de angustia, tristeza ou sentimentos negativos.

Este descontrole leva à diferentes conseqüências pessoais com o comprometimento das finanças pessoais, e prejuízos familiares e profissionais.

Compulsão sexual

A compulsão sexual caracteriza-se pela busca compulsiva de práticas sexuais sob as mais diferentes formas. O individuo pode buscar de maneira incessante múltiplos parceiros, masturbar-se compulsivamente,consumir filmes eróticos ou buscar na internet sites de excitação sexual.

O próprio individuo reconhece a perda de controle.

Com o passar do tempo o prazer é substituído por uma sensação de fracasso e depressão por não conseguir o controle do seu comportamento e pelas conseqüências pessoais e profissionais que pode acarretar.

Dependência de internet

Com a grande difusão da internet tem se identificado nos últimos anos que alguns usuários desenvolvem comportamentos problemáticos, freqüentemente chamados de compulsão por internet.

Estes indivíduos desenvolvem uma verdadeira “obsessão” por estar conectado na internet exibindo comportamentos de irritação, tristeza quando por alguma razão são impedidos de faze-lo.

O quadro compromete de maneira importante a vida do individuo com o abandono de diferentes tarefas pessoais, familiares e profissionais.

Fonte: IPQ

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: