Mané Garrincha supera Maracanã como o segundo do mundo em verbas públicas

22 jun 2013 | By

2013-621704991-20130616061302434afp.jpg_20130616

Na briga entre o Mané Garrincha e o Maracanã pelo incômodo status de estádio mais caro da Copa das Confederações, Brasília acabou na frente. Nesta sexta-feira, o Tribunal de Contas do Distrito Federal divulgou que as obras de reforma, ampliação e do entorno do Mané (que só foi usado na estreia, semana passada) saíram por R$ 1,778 bilhão, o que faz o estádio ficar cerca de 50% mais caro que o Maracanã, atualmente orçado em R$ 1,2 bilhão.

A esse valor, muito superior aos dados oficiais da inauguração, há quase dois meses, o estádio de Brasília supera não só o Maracanã como o caríssimo estádio Olímpico de Londres (R$ 1,55 bilhão), feito para os Jogos de 2012, como o segundo do planeta que mais consumiu verbas públicas. Apenas o Yankee Stadium, da equipe de beisebol New York Yankees, foi mais pesado para um governo (no caso, a Prefeitura de Nova York): R$ 2,4 bilhões em financiamentos com isenção fiscal.

No documento revelado pelo TC-DF, consta que o orçamento inicial da obra estava em R$ 696 milhões, em 2010, e que acabou duplicado para R$ 1,4 bilhão até a inauguração — inclusive com a adição de serviços que não constavam no projeto inicial. Apenas a cobertura custou R$ 209 milhões aos cofres públicos e, de acordo com o Tribunal de Contas, a fiscalização sobre a construção economizou R$ 106 milhões em despesas irregulares, como a compra de serviços repetidos e o desperdício de materiais adquiridos.

De acordo com o Ministério do Esporte, os gastos gerais para receber a Copa do Mundo já estão em R$ 28 bilhões, um aumento de cerca de 10% em relação aos R$ 25,5 bilhões projetados pelo governo em abril. Já na planilha de gastos da Controladoria Geral da União (CGU), o orçamento com o evento está em R$ 26,6 bilhões. O governo federal prevê gastar até R$ 33 bilhões na Copa.

— Não há contradição entre os investimentos sociais e os investimentos que estamos fazendo para a Copa do Mundo. É muito mais fácil negociar recursos para ciência, tecnologia e educação com a Copa — justificou o secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes, esta semana. — Não há disseminada oposição à Copa do Mundo. Há setores desinformados sobre a Copa. A Copa é uma oportunidade para investimento.

Extra Globo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: