Benefícios do Bálsamo (Sedum dendroideum)

30 set 2018 | Comente | By RickReymond

O bálsamo (Sedum dendroideum) é uma planta da família das Crassulaceae. É também popularmente conhecido como pau-de-bálsamo, balso, cabraiba, óleo-vermelho, cabureiba, pau-vermelho. A planta suculenta é largamente conhecida por suas qualidades ornamentais e medicinais. Possui caule ramificado, de textura herbácea e porte subarbustivo; as folhas são carnosas, glabras, brilhantes, de formato espatulado a ovado, de cor verde a bronzeada. As inflorescências dão-se no outono e inverno. É uma herbácea de folhas suculentas, com flores amareladas e de sabor levemente ácido. A planta atinge de 0,30 a0,50 metros de altura. É originária da África do Sul e da Ásia e a parte utilizada são as folhas frescas. As formas farmacêuticas habituais são o óleo extraído do tronco folhas, sumo e suco.
Também conhecida pelos nomes de pau-de-bálsamo, balso, cabraiba, óleo-vermelho, cabureira e pau-vermelho, a planta é dotada de propriedades cicatrizantes, digestivas, emolientes (amaciam e (mais…)

Melhore seu sistema imunológico

28 ago 2018 | Comente | By RickReymond

O QUE É SÍNDROME DE ASPERGER – Características,sintomas e tratamento

16 ago 2018 | Comente | By Leila Sobral

O que é Síndrome de Asperger?
A Síndrome de Asperger é um transtorno neurobiológico enquadrado dentro da categoria de transtornos globais do desenvolvimento. Ela foi considerada, por muitos anos, uma condição distinta, porém próxima e bastante relacionada ao autismo.
Em maio de 2013, no entanto, foi lançada a quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), que trouxe algumas mudanças importantes, entre elas novos diagnósticos e alterações de nomes de doenças e condições que já existiam.

A Síndrome de Asperger, assim como o autismo, foi incorporada a um novo termo médico e englobador, chamado de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Com essa nova definição, a síndrome passa a ser considerada, portanto, uma forma mais branda de autismo. Dessa forma, os pacientes são diagnosticados apenas em graus de comprometimento, dessa forma o diagnóstico fica mais completo.
O Transtorno do Espectro Autista é definido pela presença de “Déficits persistentes na comunicação social e na interação social em múltiplos contextos, atualmente ou por história prévia”, de acordo com o DSM-V.
Como a Síndrome de Asperger só foi reconhecida recentemente como um transtorno do espectro autista, o número exato de pessoas portadoras da doença ainda não é exato. Estimativas mostram que a ocorrência do transtorno pode ser mais comum do que se acreditava: uma entre 250 crianças aparentemente são diagnosticadas com a síndrome. Outros números dos Estados Unidos mostram que a incidência da doença pode ser bem menor (uma em cada dez mil crianças, aproximadamente).

Causas
A causa exata da Síndrome de Asperger, assim como do Transtorno do Espectro do Autismo, ainda não é conhecida. Os cientistas, por outro lado, acreditam que uma anormalidade no cérebro das crianças portadoras seja a causa mais provável.
Outras doenças, como depressão e transtorno bipolar, também podem estar relacionados à Síndrome de Asperger e ao Transtorno do Espectro Autista.
Ao contrário do que algumas pessoas costumam pensar, a Síndrome de Asperger não é causada pela privação emocional ou por uma forma específica que os pais educam seus filhos.
Ainda não foi descoberta a causa exata da Síndrome de Asperger, mas foram identificadas alterações cerebrais em portadores do transtorno. A Síndrome de Asperger é atualmente considerada uma forma leve de autismo.
A síndrome de Asperger pode coexistir com outras condições psiquiátricas, tais como déficit de atenção hiperatividade ou distúrbio de ansiedade. Mesmo quando o transtorno de ansiedade não está presente, pessoas com síndrome de Asperger podem sofrer de ansiedade ou de hipersensibilidade a determinados estímulos como barulhos. Em alguns casos, comportamentos disruptivos (birras, auto-lesão, agressão) e / ou depressão podem ocorrer em resposta à ansiedade e frustração vividos por portadores da síndrome de Asperger. Outros comportamentos que têm sido notificados em pessoas com síndrome de Asperger incluem comportamentos obsessivo-compulsivo e dificuldades com a gerência da raiva. Devido ao comportamento e interesses diferentes das outras pessoas da mesma idade, o portador da Síndrome de Asperger pode sofrer bullying, discriminação e isolamento social e em decorrência do fato desenvolver algum outro transtorno.
Como acontece com qualquer condição, o grau de severidade dos sintomas pode variar amplamente entre os indivíduos, e não são todas as pessoas com síndrome de Asperger que experimentarão transtornos psiquiátricos (mais…)

Drogas, um caso sério para ser discutido.

05 ago 2018 | Comente | By RickReymond

O uso da maior parte das drogas provoca, em um primeiro momento, efeitos muito positivos como sensação de bem-estar, felicidade e coragem. No entanto, seus efeitos a longo prazo podem ser muito graves, especialmente quando utilizadas por muito tempo.
O uso de drogas pode provocar alterações sérias no funcionamento do coração, do fígado, pulmões e até mesmo do cérebro, sendo muito prejudicial à saúde.
Além disso, uma boa parte das drogas causa habituação e, por isso, o corpo vai precisando de uma dose cada vez superior para conseguir obter os mesmos resultados positivos, o que aumenta muito o risco de morte por overdose. Veja quais os sintomas que podem indicar uma situação de overdose.
Drogas ilícitas são substâncias em que a produção, comercialização e consumo são proibidos por lei. As drogas, quando ingeridas, inaladas ou aplicadas no organismo, provocam alterações no seu estado, pois agem sobre o sistema nervoso e alteram o comportamento e o estado mental das pessoas que delas fazem uso – são as chamadas drogas psicotrópicas.
Entre elas, há as drogas lícitas e as drogas ilícitas, estas, por serem proibidas por lei, circulam no país através do tráfico. Entre as drogas ilícitas estão a maconha, a cocaína, o crack, o ecstasy, o LSD, entre outras.

Efeitos e Riscos das Drogas Ilícitas
A maconha é preparada com partes da planta (Cannabis sativa), que são moídas (mais…)

BUCHINHA-DO-NORTE – PERFEITA PARA TUA SINUSITE

03 ago 2018 | Comente | By RickReymond

Esta planta cucurbitácea, parecida com a bucha de tomar banho, é a Luffa operculata, conhecida como buchinha-do-norte, tem uso popular consagrado para o tratamento da sinusite. Conheça!

Além de buchinha-do-norte, buchinha-do-nordeste e bucha-do-norte, a Luffa operculata também é conhecidas pelos seguintes nomes populares:

cabacinha
buchinha
bucha-dos-paulistas
purga-de-joão-pais
abobrinha-do-norte
abobrinha-do-mato
bucha-dos-caçador
purga-de-bicho
purga-de-bucha
purga-de-falope
endoço
burcha-dos-pescador
purga-dos-paulistas
capa-de-bode
A planta é espontânea, originária da América do Sul e nativa do Brasil. Usa-se dela, para o tratamento da sinusite (e também da rinite e outros problemas respiratórios) o seu fruto seco.

Mas muita atenção! A planta é altamente tóxica e seu uso deveria ser feito apenas por pessoa experiente, nunca por leigos.

Embora seja uma planta de largo uso popular (é inclusive vendida em feiras) seu uso deve ser mais do que muito cuidadoso.

COMO USAR A BUCHINHA-DO-NORTE PARA TRATAR SINUSITE
Nunca ferva esta planta pois seus princípios ativos podem provocar irritação e hemorragia na mucosa nasal:

Receita de solução nasal< ! Colocar 1 colherzinha de café de cloreto de sódio puro em uma xícara de chá de água Descasque a buchinha e corte um pedacinho fino de 1 cm Coloque o pedacinho na xícara com água, tampe e deixe macerar por poucos dias Coe e pingue apenas 1 gota em cada narina, de manhã e de noite, sem assoar o nariz, deixando que o líquido escorra naturalmente. Não use esta solução por mais de 5 dias seguidos Inalação Há quem use a buchinha-do-norte fazendo inalação, ou seja, respirando o vapor obtido da planta fervida em água mas, dada a sua toxidade, seria melhor perguntar à quem já a usou antes, pois a fervura aumenta a disponibilidade dos seus princípios ativos, aumentando ainda mais o seu efeito cáustico sobre a mucosa. OUTROS USOS E BENEFÍCIOS DA BUCHINHA-DO-NORTE

Além de ser usada para tratar sinusite e outros problemas respitatórios, a buchinha-do-norte tem as seguintes propriedades medicinais e indicações de tratamento:

como descongestionante nasal
para provocar o espirro
para provocar vômito
como purgante, laxante
para tratar a ameba
para tratar a herpes
para tratar a amenorreia (ausência de menstruação)
para tratar a barriga d’água
para tratar inflamações genitais e do trato urinário
para tratar inflamações oftálmicas
para curar úlceras e feridas, anemia e hematomas

CONTRAINDICAÇÕES E CUIDADOS
A buchinha-do-norte também é muito conhecida popularmente por sua propriedade abortiva e pode causar intoxicação séria – no caso da ingestão para fins abortivos – e sérias hemorragias nasais, no caso do uso como descongestionante nasal.

Seu uso prolongado pode causar alterações do fígado e da função renal.

Doses elevadas podem causar náuseas, cólicas e vômitos. Não existem recomendações de dosagem para uso seguro, portanto, procure um especialista para garantir o bom uso desta planta.

greenme

Descrição: Planta da família das Cucurbitaceae, também conhecida como cabacinha, buchinha, bucha dos paulistas, purga de João Pais, abobrinha do norte, abobrinha do mato, bucha dos caçadores, purga de bicho, purga de bucha, purga de alope, endoço, burcha dos pescadores, purga dos paulistas, bucha do norte, capa de bode, buchinha do nordeste. É uma trepadeira. Flores amarelas, , pequenas, axilares. Frutos ovóides, moles, pequenos, ásperos e com pequenas nervuras. Sementes compridas, lisas.

Parte utilizada: Fruto Seco.

Plantio: Multiplicação: reproduz-se por sementes; Cultivo: em solos arenosos e secos; Colheita: colhem-se as buchinhas quando maduras.

Habitat: E cultivada em vários países de clima quente, com fins medicinais. É erva uma invasora e daninha, aparecendo em pastos e terrenos baldios.

História: Planta de uso popular, encontrada em mateiros e raizeiros, feiras-livres, lojas de produtos naturais e algumas farmácias costuma ser usada como abortiva, com resultados perigosos devido a sua toxidade. Jamais deveria ser usada por leigos, mas sendo espontânea em várias regiões, é impossível controlar seu uso. Somente o esclarecimento poderá coloca-la no seu devido lugar – planta de uso restrito, sob a supervisão de profissionais gabaritados.

Origem: A buchinha é originária da América do Sul, e nativa no Brasil.

Principal uso: A aspiração do infuso aquoso dos frutos há muito tempo tem sido utilizada empiricamente contra a rinite e a sinusite. Porém, existem muitos relatos da ocorrência de hemorragias nasais após estas aspirações, resguardando seu uso. Entretanto, não foi da utilização desta planta no tratamento da sinusite que resultaram as intoxicações atendidas no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Neste, todas as ocorrências relacionadas à buchinha tiveram como vítimas mulheres, entre 16 e 25 anos, que ingeriram quantidades variáveis de chás preparados com os frutos, na tentativa de causar aborto. Um caso de óbito foi registrado. São poucos os relatos na literatura referentes a intoxicações por esta espécie. Os que existem fazem alusões a intoxicações experimentais em animais. O mecanismo de ação do vegetal não está esclarecido e ainda existem dúvidas sobre o princípio causador do quadro toxicológico.

Principais Propriedades: Das espécies Luffa acutangula Roxb., L. cylindrica (L.) Roem. e L. aegyptiaca Mill. foram isoladas glicoproteínas com ações inibidoras da síntese protéica, embriotóxicas e abortivas, propriedades estas demonstradas em animais de laboratório (Ngai et al. 1992a, 1992b e 1993 apud Schenkel et al., 2001). Da espécie L. operculata propriamente dita, não há experimentos específicos com o objetivo de elucidar a ação abortiva do fruto. O trabalho mais significante foi realizado por Matos & Gottlieb em 1967. Neste, os autores isolaram o extrato aquoso do fruto um princípio amargo denominado isocucurbitacina B. As cucurbitacinas são esteróides resultantes da oxidação de triterpenos tetracíclicos e estão largamente distribuídas na família Cucurbitaceae. Para estas substâncias as atividades biológicas descritas na literatura são ações descongestionantes, laxativas, hemolíticas, embriotóxicas e abortivas. Recentemente trabalhos sobre o efeito necrótico destas substâncias em tumores estão sendo publicados. Assim, em virtude da série de relatos confirmando a toxicidade das cucurbitacinas, admite-se que a isocucurbitacina B seja o princípio tóxico de L. operculata.

Toxologia: Nos casos descritos de intoxicação os sintomas apareceram cerca de 24 horas após a ingestão do chá. Náuseas, vômitos, dores abdominais e dores de cabeça são os sintomas primários, subsequentemente advêm hemorragias, podendo ocorrer o coma e a morte. Para o tratamento são recomendados apenas a administração de carvão ativado, e tratamento sintomático para distúrbios gastrintestinais.

 

Conheça os benefícios do chá da folha da Ameixeira (Nespera)

03 ago 2018 | 1 comentário | By RickReymond

Sobre as folhas da nêspera ou ameixa japonesa, aquela fruta de cor amarela. Suas folhas peludas e compridas promovem verdadeiras transformações positivas no organismo.

Para o preparo das folhas,  melhor época para colheita das folhas é em julho. Elas são colhidas, uma a uma, depois são retirados os pelos com uma escova, lavadas, cortadas e secas ao tempo. Só depois são empacotadas para chegar às nossas mãos.

você deve colocar a água para ferver, em quantidade suficiente para 2 xícaras de chá (medida para uma pessoa)
coloque 1 colher de sopa (cheia) das folhas picotadas (pode colocar no saquinho de chá para não precisar coar)
deixe ferver em fogo bem baixo por uns 7 a 8 minutos
tampe e deixe em infusão por cerca de 10 minutos
coe e sirva-se do chá – quente ou frio
O chá tem uma cor linda, um misto de tom de laranja com coral clarinho. O gosto é adstringente, bem mais suave do que o chá mate e melhor: cafeína zero. Mas, como todo alimento ou chá, não deve ser consumido em exagero. O ideal é tomar, no máximo, 2 xícaras por dia. Se perceber que leve dor de cabeça, ânsia de vômito, tontura ou queda de pressão, pare de tomar. As folhas cujos pelos não foram removidas podem causar inflamação na garganta. Não adicione açúcar.
Conheça alguns benefícios da folha de nespereira
Ajuda a controlar a (mais…)

Acidente vascular cerebral (AVC)

02 ago 2018 | Comente | By RickReymond

Os sinais surgem de repente, e saber identificá-los o quanto antes é essencial. O acidente vascular cerebral (AVC), é a principal causa de incapacidade física do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)

O que é AVC?
O acidente vascular cerebral, ou derrame cerebral, ocorre quando há um entupimento ou o rompimento dos vasos que levam sangue ao cérebro provocando a paralisia da área cerebral que ficou sem circulação sanguínea adequada. O AVC também é chamado de Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Tipos
Dependendo da causa do AVC ele pode ser hemorrágico ou isquêmico. Entenda melhor cada tipo:

AVC hemorrágico
Dizemos que o AVC é hemorrágico quando há o rompimento de um vaso cerebral, ocorrendo um sangramento (hemorragia) em algum ponto do sistema nervoso. A hemorragia pode acontecer no interior do tecido cerebral (AVC hemorrágico intraparenquimatoso), que é o mais comum e responsável por 15% de todos os casos de AVC. O sangramento também pode ocorrer perto da superfície cerebral, entre o cérebro e a meninge, conhecido como AVC hemorrágico subaracnóideo. O AVC hemorrágico não é tão comum quanto o isquêmico, no entanto, o AVC hemorrágico pode causar a morte mais frequentemente do que acidentes vasculares cerebrais isquêmicos. Saiba tudo sobre um AVC hemorrágico aqui.

AVC isquêmico
AVC isquêmico ou acidente vascular cerebral isquêmico se dá quando há uma obstrução da artéria, impedindo a passagem de oxigênio para as células cerebrais, que morrem – essa condição é chamada de isquemia. A obstrução da artéria pode acontecer por um trombo, que é um coágulo de sangue que se forma na parede do vaso sanguíneo, ou por um êmbolo, que nada mais é do que um trombo que se desloca pela corrente sanguínea até ficar preso em um vaso sanguíneo menor que sua extensão. Saiba tudo sobre um AVC isquêmico aqui.

Causas
Causas do AVC hemorrágico
Quando falamos em um AVC hemorrágico, (mais…)

1 2 3 467