Melão de São Caetano,fruto de cobra, erva das lavadeira e melãozinho.Benefícios e propriedades

01 jun 2018 | By RickReymond

Melão de são caetano
Essa planta pode ser usada para tratar e curar várias doenças, entre elas, diabetes e vários tipos de câncer

O melão de são caetano é uma planta que possui muitos benefícios que podem ser aplicados à saúde humana. Apesar do formato estranho e de ser considerada uma erva daninha, essa espécie caiu no uso popular, principalmente no que se refere a medicina alternativa. Porém, é importante lembrar que não se deve tomar medicamentos por conta própria, mesmo se tratando de ingredientes naturais.

Características do melão de são caetano
O melão de são caetano é conhecido cientificamente como momordica charantia, ele pertence à família das cucurbitaceae. Sua origem é compreendida em partes do leste da Índia e sul da China, porém, é comum em vários outros países ao redor do mundo. No Brasil, o melão de são caetano é reconhecido também por erva de São Caetano, fruto de cobra, erva das lavadeira e melãozinho.

No que diz respeito às características físicas da planta, ela é identificada como sendo uma trepadeira de cheiro desagradável. Ela possui flores amareladas ou esbranquiçadas, folhas palmatífidas e fruto dourado que abre-se em válvulas espinhosas. No interior desses frutos eles possuem carnosidade mole que torna-se amarelo avermelhado quando maduro.

O Melão de São Cetano tem poder clareador, ideal para remover manchas
Essa planta é ideal para quem tem diabetes, pois regula os níveis de açúcar no sangue

Por se tratar de uma erva daninha, essa espécie pode ser facilmente encontrado em locais como pomares, hortas, cafezais, cercas, alambrados e terrenos baldios. Porém, no Brasil, o melão de são caetano é o tipo mais selvagem. Devido a facilidade com que é encontrado, além de entrar como ingrediente principal em várias receitas naturais, a planta também é conhecida pelo poder clareador, ideal para remover manchas.

Propriedades medicinais do melão de são caetano
Como já foi adiantado anteriormente, o melão de são caetano pode ser usado no processo de tratamento e cura de várias doenças. Ele regula os níveis de açúcar no sangue, tratando doenças como a diabetes.

“Mais de 100 estudos utilizando técnicas modernas tenha autenticado o seu uso na diabetes e suas complicações (nefropatia, catarata, resistência à insulina), como agentes antibacterianos, assim como agente antiviral (incluindo infecção por HIV), como anti-helmíntico e abortivos”, diz estudo publicado pelo site GreenMe.

A planta ainda purifica o organismo da ação de toxinas nocivas e ainda regula o intestino, combatendo problemas de prisão de ventre. “Tradicionalmente, tem também sido utilizado no tratamento de úlceras pépticas. Os estudos têm demonstrado a sua eficácia em vários tipos de câncer (leucemia linfóide, linfoma, coriocarcinoma, melanoma, câncer da mama, tumor de pele, câncer de próstata, carcinoma epidermóide de língua e laringe, carcinomas da bexiga humana e da doença de Hodgkin)”.

O melão de são caetano ainda pode ser usado no tratamento de inflamações hepáticas, dores articulares, eczemas, cólicas abdominais, faringites, queimaduras com leucorréias purulentas, gripes, furúnculos, hemorroidas, febres intermitentes, tosse, catarro amarelo, irritação vaginal, menstruação e TPM, úlceras, dores de ouvido e dores reumáticas.

Problemas de pele
Somado a tudo isso, o melão de são caetano também auxilia no tratamento de problemas de pele. Entre os principais, destaque para feridas, lesões e eczemas. Como se ainda não bastasse, essa espécie também serve para amenizar dores e inchaços causados pela picada de alguns insetos.

Seus benefícios são possíveis devido às suas propriedades que envolvem a sua ação como purgativo, vermífugo, antiparasitário, antileucorreico, bactericida, hipoglicemiante, antileucêmico, anticancerígeno, antitumoral, anti-inflamatório, afrodisíaco, antimicótico, cicatrizante, depurativo do sangue, adstringente, anticatarral, antirreumático e antiviral.

Modo  de  preparo do chá-

Modo de preparo

Em um recipiente, coloque 1 litro de água e leve ao fogo. Em seguida adicione 2 colheres de sopa da erva melão de são caetano e deixe ferver. Quando começar a ferver, desligue o fogo e tampe, deixando o chá abafado por aproximadamente dez minutos. Em seguida, você pode coar e consumir. A dose máxima indicada é de duas a três xícaras de chá por dia.

Como usar o melão de são caetano
Devido a ação que o melão de são caetano representa para a saúde, ele pode ser usado de várias formas. Veja quais são as principais:
– Os frutos do melão de são caetano cozidos agem em casos de vômitos e doenças venéreas;
– Em casos de problemas hemostáticos, pode ser feito cataplasma a partir da utilização dos frutos maduros;
– O suco das folhas secas se mostra eficaz em casos de problemas eméticos, purgantes, mordidas de serpentes e afecções biliares;

– A decocção das folhas é utilizada em afecções dermatológicas;
– Uma forte infusão das folhas ajuda em casos de escabiose, picadas de insetos, malária, pruridos e úlceras malignas;
– Infusão da planta inteira serve para resfriado;
– A infusão do fruto é bastante indicada para tratar hemorroidas.
Contraindicações do melão de são caetano
Antes de fazer uso do melão de são caetano ou de qualquer outra substância, mesmo se tratando de ingredientes naturais, o médico deve ser consultado. Só ele possui conhecimento suficiente para certificar o seu uso, evitando que outros problemas sejam desenvolvidos pelo paciente. Mesmo tomando todos esses cuidados, é importante seguir outras indicações.

O consumo não é indicado para pacientes gestantes ou que estejam amamentando. Os portadores de diarreia crônica, mulheres que estão pensando em engravidar, assim como as crianças devem ficar longe do melão de são caetano. Pode causar queda drástica da glicose sanguínea, desde que ingerida sem acompanhamento médico e na dosagem certa.

Quando em excesso, pode causar vômito e diarreia e, de acordo com algumas fontes, apenas meia colherada do sumo do fruto maduro pode causar a morte de um bezerro grande em menos de um dia. O melão de são caetano também não deve ser consumido em conjunto com clorpropamida, drogas antidiabéticas e drogas redutoras do colesterol, pois potencializa seus efeitos.

 

Uma planta muito simples consegue matar até 98% de células cancerígenas e também frear o diabetes

Este texto foi traduzido e adaptado do artigo original, escrito pelo Dr. Frank Shallenberger, e o link dessa versão encontra-se no final da matéria. Trata-se de uma tradução livre do artigo escrito em primeira pessoa publicado por Shallenberger. Acompanhe:
Eu estou sempre buscando por substâncias que dão uma “chave de braço” no metabolismo peculiar das células cancerosas. É vital que essas substâncias matem as células doentes e deixem as saudáveis intactas. Já falei sobre algumas de minhas descobertas científicas no passado, como o resveratrol, chá verde, seanol e outros. Mas hoje eu vou lhes falar sobre outra planta que seguramente mata o câncer de fome com tanta eficácia quanto uma quimioterapia. Na verdade, funciona inclusive no câncer de pâncreas, um dos mais difíceis de se combater.
A planta é um vegetal comum da Ásia e que tem o nome de melão amargo (Momordica charantia – no Brasil, pode ser conhecido como melão-de-são-caetano), sendo popular na região de Okinawa, no Japão.
O suco do vegetal, na concentração de 5% em água mostrou ter um potencial assombroso de lutar contra o crescimento dos quatro tipos de cânceres pancreáticos pesquisados, dois dos quais foram reduzidos em 90%, e os outros em incríveis 98% apenas 72 horas após o tratamento!
Já comentei em outros artigos a respeito da apoptose, que é a resposta natural de um organismo em lidar com células fora do comum – que simplesmente suicidam. O suco induziu essa morte programada por vários caminhos diferentes. Um desses caminhos foi o de colapsar o metabolismo de alimentação por glicose das células doentes, ou seja, privou-as do açúcar que elas necessitam para sobreviver.
Será que esses estudos de laboratório também servem para animais vivos? A resposta é um sonoro “sim”! Pesquisadores da Universidade de Colorado aplicaram doses em ratos que seriam proporcionais a humanos, e eles apresentaram uma redução em 64% do tamanho de seus tumores, sem efeitos colaterais. Esse nível de melhora ultrapassa os alcançados atualmente com o uso de quimioterapia para um tipo de câncer tão letal.
O responsável pela pesquisa na universidade, Dr Rajesh Agarwal, observou o costume chinês e indiano de usar o fruto em remédios para diabetes. Vendo que esta doença tende a vir antes do câncer pancreático, o doutor associou as ideias, criando novos rumos nas investigações existentes.
A dose utilizada foi de seis gramas de pó do melão amargo para um adulto de porte médio (75 quilos). Os grandes laboratórios e companhias farmacêuticas buscam encontrar petroquímicos patenteáveis que obtenham o mesmo resultado que Deus colocou nesse vegetal. Eles ficam boquiabertos como uma planta tão despretensiosa consegue desnutrir o câncer sem precisar de nenhuma química complexa.
No centro médico da Universidade de Saint Louis, a Dra. Ratna Ray, Ph. D. e professora de patologia, liderou pesquisas similares, testando primeiramente em células de câncer de mama e próstata e depois experimentando em cânceres da cabeça e pescoço, que embora representem 6% apenas dos casos, são agressivos e se espalham facilmente, começando por vezes pela boca, garganta, nariz.
Com efeito, após quatro semanas de tratamento controlado em animais, o volume e crescimento dos tumores reduziu. A doutora ressalta: “É difícil medir o resultado exato do tratamento com o extrato de melão amargo no crescimento das células, porém combinado com as terapias e remédios existentes, pode auxiliar na eficácia do combate ao câncer.”
Pesquisadores descobriram recentemente que a síndrome metabólica é amenizada pelos benefícios no metabolismo glicólico. Ótimas notícias, pois não se destrói o câncer por uma via só, e eu acredito que deve ser multifocal: em outras palavras, fortalecer o sistema imunológico, desintoxicar, eliminar infecções dentais e materiais tóxicos dos dentes, alcalinizar o organismo, oxidar o corpo com terapia com oxigênio, e prover nutrientes específicos para dar uma “chave de braço” nos caminhos particulares do metabolismo do câncer.
Todas as células cancerosas mostram uma produção anormal de energia que utiliza fermentação ineficiente de glicose. O melão amargo pode ser um excelente aliado ao combate dessa produção de energia anormal.

Second Opinion

Chás e beneficios

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: