Posts Tagged: punhal

Coração de um vampiro – imagens

06 maio 2011

Em busca de assuntos sobre corações de vampiros, me deparei com um site um tanto ousado demais, porém umas fotos me chamaram a atenção sem muita ou quase nenhuma informação sobre o assunto e com apenas as imagens para mostrar dizem ser de um coração de um vampiro será? O que você acha? Fonte: Vampires

Historia de Carmem a Cigana

04 fev 2011

É uma cigana encantadora que gosta de festa, música, dança e muitos sorrisos. Trabalha juntamente com todas as forças da natureza, principalmente as do fogo, pois atua com as Salamandras. Utiliza estrelas de cinco e seis pontas que represe respectivamente a magia e o amor. Também utiliza a simbologia de uma espiral que é uma […]

Cigana Amada

02 nov 2010

Cigana Amada Se rasgando com o punhal o meu peito aquietasse minha alma que chora, e dissesse saudade, por favor vá embora, isto certamente eu faria. Se caminhar sobre as brasas da grande fogueira do acampamento, pudesse amenizar meu tormento, Sobre o fogo meu corpo estaria. Se caminhar sobre as águas do mar pudesse me […]

Os signos da Astrologia Cigana

14 set 2010

Quem pensa que a Astrologia é a mesma para todos está enganado. Muitas culturas têm diferentes formas de interpretação e algumas se guiam até pelo ano do nascimento. Mas, a Astrologia cigana não é tão diferente da astrologia que nós conhecemos. A diferença é que eles identificam os signos por meio de objetos da sua […]

†Anjo da Morte x Desejo Mórbido†

06 jul 2010

Abre os olhos suavemente… Olha o que tens a tua volta… †DESEJO MÓRBIDO† Viver na sombra da noite Escondida de toda a luz Que possa quebrar o meu encanto Aquela que vaga pelas trevas, que se alimentam do medo e que invade seus pesadelos mais profundos e medonhos Com palavras ardentes Incendeia nas tuas veias […]

Contos Vampirescos – Isabelle

17 jun 2010

Fazia três anos que Isabelle havia desaparecido nas penumbras daquele bosque. Lembrava-me dos momentos de ternura e luxúria, que nós, amantes incansáveis, havíamos vivido. Naquelas noites, sem a minha amada, entregava-me aos prazeres do álcool. Matava as saudades na devassidão das visitas que Isabelle fazia-me, estas intermediadas pelas alucinações provocadas pelas longas doses de absinto […]